fbpx

Corrimento Vaginal: o que você precisa saber!

Todas as mulheres em idade reprodutiva podem ter corrimento vaginal, que também é conhecido como corrimento vaginal fisiológico. Este corrimento é formado pela combinação de células mortas da vagina, bactérias naturais da flora vaginal e secreção de muco com função de umedecer, lubrificar e manter a vagina saudável.  

O corrimento vaginal fisiológico é estimulado pelo estrogênio e, portanto, pode ter seu volume aumentado em períodos onde há maior estimulação hormonal, como na gravidez, uso de anticoncepcionais à base de doses altas de estrogênios, no meio do ciclo menstrual, perto da ovulação. Com isso, a maior diferença entre o conteúdo normal fisiológico e o corrimento patológico está na alteração do volume, da cor e do odor, além dos sintomas que o causam.

Portanto, quando o corrimento vaginal não é uma secreção transparente e tem cor branca, amarela ou verde, pode indicar diferentes problemas como infecções vaginais, por exemplo, sendo importante consultar o ginecologista para tratar o problema. No caso do corrimento infeccioso, ele costuma ter a ação de um fungo, bactéria, ou protozoário. Entre eles, os mais comuns são: 

➜ Candidíase (fungo) – é uma infecção ocasionada pelo fungo do gênero Candida Albicans. Ele se aloja comumente na área genital, provocando coceira, secreção e inflamação na região. Em relação ao corrimento, ele costumo ser espesso, grumoso e esbranquiçado, e é acompanhado geralmente de irritação no local. 

➜ Trichomonas (protozoário) – É uma infecção genital causada pelo protozoário Trichomonas Vaginalis. Sua transmissão ocorre por meio das relações sexuais ou contato íntimo com secreções de uma pessoa contaminada. Pode ser transmitida por mulher/homem e mulher/mulher. Em geral, afeta mais as mulheres. Esse protozoário causa microlesões na parte interna da vagina e pode levar ao desenvolvimento de outras DSTs.

➜ Vaginose Bacteriana – Sem inflamação ou coceira, corrimento acinzentado, com odor desagradável. Entre os fatores mais comuns que provocam o desequilíbrio da vagina e podem aumentar o risco de infecção ou de proliferação bacteriana de qualquer das bactérias normais ou de um fungo, estão: o uso de antibióticos, contraceptivos orais, duchas vaginais, estresse, roupa íntima sintética, roupas apertadas, gravidez, relação sexual sem proteção, entre outros.

A Vaginose é a causa mais comum de corrimento e a segunda causa de candidíase. Essa infecção costuma desencadear um desequilíbrio da flora vaginal fazendo com que a concentração de determinadas bactérias aumente. 

Ao primeiro sinal de corrimento com alteração nos aspectos normais de cor, textura e cheiro, é importante procurar um ginecologista para a indicação do tratamento correto.