Mastologia

Mastologia é a especialidade médica dedicada à prevenção, diagnóstico e tratamento das patologias mamárias, entre elas o câncer de mama. E o médico mastologista é o profissional habilitado para o tratamento das doenças mamárias.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. Representa mais de 25% dos diagnósticos anuais de câncer. Acima dos 35 anos, sua incidência cresce progressivamente, em especial após os 50 anos. Estima-se que uma em cada oito mulheres desenvolverá câncer de mama ao longo da vida. Embora o histórico familiar esteja entre os fatores de risco, a maioria dos casos ocorre esporadicamente. Mulheres com casos de câncer de mama familiar devem sempre buscar orientação de um médico mastologista. Entre os fatores de risco estão: obesidade, idade precoce da primeira menstruação, primeira gestação após os 35 anos, idade tardia da menopausa, uso de terapia de reposição hormonal por mais de 5 anos, entre outros.

Com a melhoria das formas de tratamento e o significativo aumento da taxa de sobrevivência, o câncer de mama deixou de ser um estigma para as mulheres.

O diagnóstico precoce, seguido de tratamento adequado, é a melhor forma de combate e cura dessa doença.

A sociedade brasileira de mastologia (SBM) recomenda que toda mulher acimas dos 40 anos realize mamografia anualmente. Esse ainda é o melhor método de imagem para o diagnóstico precoce do câncer de mama.

O tratamento do câncer de mama consiste em diversas etapas, variando conforme os estágios da doença. Entre essas etapas estão: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia.

O tratamento cirúrgico é um dos pilares para a cura do câncer de mama. As cirurgias podem ser variadas, como: cirurgias conservadoras (não retiram a totalidade da mama), mastectomia (retirada total da glândula mamária, mastectomia com preservação de pele (associada ou não à preservação da aréola) e associadas ás cirurgias para o tratamento do câncer existem diversas possibilidades de reconstrução mamária, quando necessário, com emprego de expansores ou próteses de silicone; uso de tecido autólogo; além de retalhos musculares e cutâneos.